17 abril, 2009

Fragmentos #3

Era escuro e frio. A esperança se esvaía pouco a pouco, o fio tênue que restava era o que lhes mantinha vivos. A mais obscura face da natureza humana se revelou sem censura. Dor e sofrimento se ressignificavam naquele lugar infame. Tampouco alegria tinha ali o mesmo sentido.

A luz do sol matutina e sorrateira entrava, e seu efeito não era o esperado. Permanecia escuro e frio. Que lugar é esse onde nem o sol dá jeito?

Um comentário:

Flávia disse...

Leo, hoje foi escuro e frio no teatro do Folias. Faleceu o dramaturgo do grupo, um de seus fundadores, Reinaldo Maia, grande artista e guerreiro na luta por políticas públicas de cultura. Foi assim de repente, hoje pela manhã. Não tivemos peça, tivemos seu velório.
Espero que o Folias consiga ressignificar sua dor. E que a luz entre de novo naquele espaço. Vai entrar. Porque amanhã tem espetáculo.
(acabei de chegar de lá, entrei aqui, e li esse seu post. achei uma coincidência incrível.)